“Fix You” pelos Vega Choir

A 1ª música que ouvi dos Vega Choir, foi a versão do “Creep” dos Radiohead, no programa da manhã da Rádio Comercial.

A música original da banda de Thom Yorke é, sem qualquer dúvida, uma das músicas que marcaram a minha adolescência (e de muitos da minha geração). Pois bem, a versão dos Vega Choir é lindíssima, de sentir um arrepio na espinha.

Ontem através do post do Diogo Rodrigues, fiquei a saber que eles tinham feito uma versão do “Come as you are” dos Nirvana.

Através de uma pesquisa posterior no YouTube (através da Wii, mas isso fica para outro post) por “Vega Choir” descobri esta versão absolutamente extraordinária do “Fix You” dos Coldplay. Não tenho problemas em afirmar que é uma versão muito comovente, de fazer arrepios e levar lágrimas aos olhos. Apreciem porque vale mesmo a pena.

Estas versões e outras de músicas, como o “Heartbeats” ou o “True Colors” estão incluidas no álbum “Keep Breathing” à venda no Itunes.

Notas sobre o caso Ensitel

É incontornável, o assunto do momento é o caso Ensitel.

Não vou perder tempo a resumir a história, para isso, nada melhor do que lerem os 7 posts no blog da Maria João.

Apenas quero deixar 3 notas sobre este caso:

1.Nos tempos que correm, em que a web está cada vez mais presente na vida das pessoas, é fundamental aos marketeers saberem o que é o “Efeito Streisand” e evitarem-no a todo o custo. A web é um meio fantástico, precisamente por, entre outras coisas, permitir que algo se torne viral num curto espaço de tempo. Por norma temos tendência de apenas dar destaque às acções virais positivas, mas a verdade é que um meme como este, de demonstração de desagrado em relação a uma marca / empresa é algo claramente viral, que rapidamente se pode tornar num pandemia de elevados danos numa marca.

2. É claro que outra característica fantástica da web de hoje, é o seu carácter democrático, no sentido, de que qualquer pessoa pode ter o seu espaço, no qual pode publicar / expressar livremente a sua opinião. Acreditar que nesta web democrática, é possível censurar a opinião de alguém, mesmo que por via judicial, é cometer um erro crasso, com graves consequências para a sua marca.

3. Mas além disto, o que talvez me choque ainda mais, é alguém ainda poder pensar que a web é um meio passivo, na perspectiva de que apagando 6 ou 7 posts de um cliente descontente, a imagem de uma marca volte a ser positiva. A web não é um meio passivo, mas sim um meio onde as pessoas comunicam de um forma activa, onde opiniões são pedidas e obtidas em tempo real através de ferramentas como o Twitter ou o Facebook. Mesmo que os posts da Maria João fossem apagados, de certeza que se alguém comentasse no Twitter ou no Facebook que estava a pensar comprar um novo telemóvel na Ensitel, rapidamente alguém faria um comentário menos abonatório em relação à sua experiência com a marca, aconselhando-a a fazer a compra noutra loja.

Para mais opiniões / comentários sobre este caso recomendo as seguintes leituras:

Wishlist

Macbook Air

Há muito tempo que queria incluir neste blog uma página com uma Wishlist, com uma lista de artigos que gostava de poder comprar.

Cheguei a procurar serviços online, nos quais pudesse criar uma lista apelativa, com imagens. Algo que na minha cabeça usava alguns dos bons princípios de publicação no Facebook, que permitisse por exemplo colocar um link, a partir do qual a publicação iria propor um thumbnail e eu ainda pudesse acrescentar um texto descritivo complementar e, quem sabe, o preço. Por estranho que possa parecer, não encontrei nenhum serviço deste género, que me agradasse minimamente. Assim, acabei por voltar à minha ideia principal.

Em vez de inventar e fazer a lista manualmente, encontrei um plugin que me pareceu interessante, o Delicious Wishlist for WordPress. Bem sei, que nas últimas semanas se tem falado muito do fim do Delicious, mas enquanto isso não se concretizar parece uma boa solução, de fácil utilização. Basta usar a tag wishlist, nos bookmarks guardados no Delicious e eles automaticamente aparecem na página agora criada.

Como é natural, esta página está em constante actualização, pelo que a qualquer momento podem ser incluidos novos itens.

Se este Natal estiverem uns mãos largas, estejam à vontade para me oferecer qualquer um destes artigos.

Porque hoje é dia de greve!

Hoje ao deixar os filhos na creche, percebi que a escola primária, que fique no mesmo bloco, estava fechada devido à greve da função pública.

Desculpem-me, mas não consigo perceber as greves.

Tanto neste caso, como no caso por exemplo das greves da Carris, do Metro ou da CP, os prejudicados não são os ministros mas sim os cidadãos que não têm culpa nenhuma da situação que motiva a greve. E ao contrário do que se possa pensar, eu acho que a maioria das pessoas perante uma greve não fica simpatizante do protesto, pelo contrário. Ou seja, as pessoas acabam por ficar revoltadas por terem que faltar ao trabalho porque não têm onde deixar os filhos ou porque não têm como chegar ao trabalho, por exemplo.

Como é óbvio eu concordo que as pessoas defendam as ideias em que acreditam, mesmo que possa discordar dessas ideias, mas acho que existem outras formas de protesto, com mais impacto junto dos decisores, como por exemplo manifestações, como as dos professores nos últimos anos, ou por exemplo, como não cobrar bilhete aos utilizadores dos transportes públicos, etc.

Facebook Places e Facebook credits

Facebook Places

A maioria do serviços online baseados na localização (lbs: location-based services), como o Foursquare ou o Gowalla, oferecem títulos ou emblemas, como recompensa por um conjunto de actividades, como criar um x número de spots ou ser o utilizador com mais check-ins num spot.

Entretanto algumas marcas, como por exemplo, a Starbucks (nos EUA) apercebendo-se das potencialidades destes serviços online, começaram a oferecer recompensas reais.

Com a entrada do Facebook nesta área, com o Facebook Places acho que muito provavelmente poderá surgir um novo tipo de recompensa, “dinheiro virtual“. Parece-me bastante plausível que o Facebook, em troca do cumprimento de determinados objectivos, possa dar como recompensa aos utilizadores do Places, créditos do Facebook, os quais podem ser utilizados em diversas aplicações do Facebook, como por exemplo o Farmville.

O que vos parece?  Preferem ser o mayor do vosso restaurante preferido ou ganhar x créditos do Facebook, que pudessem gastar em qualquer aplicação?

A nossa nova aventura: Família Verso

Família VersoAo final de um mês de árduo trabalho (e para não variar de total ausência deste espaço) foi finalmente lançado o meu mais recente projecto, com o apoio da Toyota Caetano Portugal, a iniciativa “Família Verso“.

Ainda nos custa a acreditar que é verdade, mas numa iniciativa totalmente pioneira em Portugal, durante 6 meses 1 ano, eu e a minha família iremos experimentar livremente um Toyota Verso, partilhando a nossa experiência num blog (http://www.familiaverso.net) onde também iremos abordar diversas situações relacionadas com o nosso dia a dia, enquanto família numerosa.

Para além deste blog, a “Família Verso” também está presente nas redes sociais (Facebook, Twitter, Flickr, YouTube).

A partir de algumas iniciativas de menor escala, que já se realizaram em Portugal, lançamos o desafio à Toyota Caetano Portugal. A receptividade foi a melhor possível e desde início de Agosto que andamos por ai, a experimentar o Verso.

Por isso acompanhem a família Verso nesta aventura, no blog ou nas redes sociais (Facebook, Twitter, Flickr, YouTube). Comentem, enviem-nos sugestões de conteúdos, partilhem as vossas dúvidas, etc. Estamos a contar com a vossa participação.

Actualizado às 09:37m de 13.09.2010