Recursos para projectos “Responsive”

Palantir - Breakpoints
Breakpoints do site Palantir.net, presente no site mediaqueri.es

Nos últimos 14 meses, parte das minhas responsabilidades na ZON Multimédia têm consistido em criar mockups em HTML/CSS/JS (sobretudo usando JQuery), para diversos portais sobretudo internos, que posteriormente as equipas de desenvolvimento integravam na respectiva solução.

Para além de termos começado a desenvolver todos os nossos projectos em HTML5, nalguns portais (sobre os quais espero poder falar mais detalhadamente em breve) foi tomada a decisão de seguir uma abordagem “Responsive“, de forma a que o interface destes portais se ajuste de uma forma inteligente ao ecrãs em que está a ser visualizado.

Porém, em portais mais complexos a utilização da abordagem “Responsive Web Design (RWD)” traduz-se no aparecimento de alguns problemas de difícil resolução. Algumas das dificuldades mais comuns na utilização desta abordagem estão relacionados com menus de navegação com vários níveis, utilização de imagens (evitando que o utilizador num telemóvel tenha que fazer download de uma imagem que não precisa), formulários complexos e tabelas com várias colunas, entre outros.

Felizmente, em situações mais complexas, através uma pesquisa pela net vai sendo possível encontrar soluções para os nossos problemas, utilizadas por outras pessoas, em situações bastante semelhantes.

Para facilitar esta partilha de conhecimento, Brad Frost (um dos developers que tenho seguido mais de perto, sobre RWD) criou recentemente o site “This is Responsive“, no qual é possível ter acesso a diversos recursos e notícias sobre a abordagem “Responsive” e ainda um banco de padrões para projectos “Responsive“. Definitivamente um importante site a não perder se andarem a trabalhar em projectos “Responsive“.

iPhone pós-Jobs?

Capa do DN de dia 04/Out

Hoje a partir das 18h00 é apresentado em Cupertino, na sede da Apple, o novo iPhone, que segundo a capa do Diário de Notícias é o “iPhone da era pós-Jobs“.

Alguém que conheça minimamente a história da Apple e de Steve Jobs, acredita que este não acampanhou ao mínimo detalhe a definição de todos os pormenores quer visuais, quer técnicos do novo iPhone?

Lançamento do HP TouchPad

A partir de amanhã, dia 1 de Julho, vai passar a estar à venda, nos Estados Unidos da América o TouchPad, o tablet da HP, com o Web OS 3.0.

Apesar de, como é óbvio, nunca o ter testado, com base na informação que tenho lido sobre este tablet, em todos os vídeos que já vi e nas minhas brincadeiras com o emulador do WebOS, neste momento, o TouchPad é claramente o tablet que mais me agrada.

É claro que se tivesse oportunidade de colocar as mãos num iPad 2, ou num Samsung Tablet II não iria recusar qualquer um dos 2, mas há partida, entre os 3 não teria dúvidas em escolher o HP Touchpad.

No vídeo seguinte podem ver alguma das principais funcionalidades, que tanto me agradam. Porém há 2 ou 3 que me seduzem sobretudo, como o brilhante “multi tasking”, pensado de raiz, a forma inteligente de fechar aplicações e ainda o facto de correr Flash. Tal como já tenho dito anteriormente, no telemóvel (ou seja, no iPhone) não me importo de não ter Flash, porém não consigo perceber muito bem ter a ideia de ter um tablet onde não possa navegar na Internet, de uma forma plena.

Já agora, apenas relembrar que o HP TouchPad é um tablet com 13.7 milímetros de espessura, 9.7-polegadas com um processador dual-core 1.2 Ghz Snapdragon, com 16 GB ou 32 GB de alojamento, 1 GB de RAM, Bluetooth, Wi-Fi e uma câmera de 1.3-megapixel camera para video-chamadas.

Nos Estados Unidos da América a versão de 16 GB custa $499.99, enquanto a versão de 32 GB custa $599.99. Até ao momento, que saiba, ainda não existem datas para termos o HP TouchPad à venda em Portugal.

UX Lx 2011

Começa amanhã, na Centro de Reuniões da FIL, no Parque das Nações a edição deste ano da UX-Lx. Amanhã e 5.ª feira os dias estão reservados para os workshops e algumas talks mais ligeiras, existindo diversas sessões paralelas. Na 6.ª feira teremos a conferência final, no Auditorium 1, na qual podermos contar com grandes nomes na área da usabilidade como Louis Rosenfeld ou Don Norman.

Felizmente a Active Media (@active_media) é um dos Golden Partners, pelo que pode terei o privilégio poder estar presente nos 3 dias.

Amanhã irei participar nos workshops “Building a Practice as a UX Team of One” por Leah Buley e “Designing by Doing:Bringing Agile Thinkingto UX Practice” por Anders Ramsay. Na 5.ª feira irei estar presente nos workshops “Strategic User Experience:Beyond the Interface” por Leisa Reichelt e ainda, para consolidar alguns conhecimentos, “Usability Testing Boot Camp:How to Plan and Moderate a Usability Test” por David Travis.

Para além de mim, a Active Media (@active_media) será ainda representada pelo Jorge Oliveira (@jorgeoliveira) e pelo Hugo Fernandes (@imhugo), pelo que se quiserem dar 2 dedos de conversa, venham ter connosco.

HP Thouchpad

HP Touchpad
HP Touchpad

Quando há uns meses li que a HP ia ter um evento em Fevereiro, relacionado com a Palm e com o WebOS, fiquei desde logo bastante curioso e expectante com o que este evento poderia trazer de novo, sobretudo pela mensagem enigmática presente no convite: “Think Big / Think Small / Think Beyond“.

Finalmente com a realização deste tão aguardado evento, pudemos finalmente ver todas as nossas dúvidas esclarecidas. Como a maioria pensava, este foi um evento para a HP apresentar os seus novos equipamentos WebOS: 2 smartphones, o Veer e o Pre3 e um tablet, o TouchPad.

As minhas expectativas eram sobretudo relacionadas com o aparecimento de um tablet, com um bom desempenho, a correr o WebOS. Infelizmente nunca experimentei o WebOS, mas pelo diversos screenshots que tenho visto, tenho bastante curiosidade em experimentá-lo, uma vez que parece ser bastante intuitivo e fácil de utilizar.

Mas voltando às minhas expectativas, acho que a Apple precisava que aparecesse um verdadeiro concorrente para o iPad. Por princípio acredito (talvez com excepção do caso das gasolineiras) que a verdadeira concorrência é bastante saudável, contribuindo para que o cliente/utilizado seja melhor servido, o que neste caso, passa por teremos equipamentos cada vez mais potentes, com mais funcionalidades, com interfaces mais usáveis e intuitivos.

Daquilo que vi até agora, o TouchPad parece-me ser um bom concorrente ao iPad, uma verdadeira alternativa capaz de seduzir muitas pessoas.

Infelizmente a versão com WiFI apenas estará à venda no início do Verão e as versões 3G e 4G só mesmo para depois do Verão, sendo que estas são datas para os EUA, não se sabendo ainda quando é que estes equipamentos estarão disponíveis na Europa e sobretudo em Portugal. Do mesmo modo também ainda não se sabe qual será o preço do TouchPad. Pode ser que venha a ser uma excelente prenda para este Natal.

Com o evento de hoje, acho que a HP elevou o nível dos tablets, pelo que está nas mãos da Apple surpreender novamente o mercado, no lançamento do iPad 2.

Por último, caso exista por ai alguém da HP a ler este post, se tiverem algum equipamento com webOS que possam emprestar, teria todo o gosto em, durante uns dias, deixar o meu iPhone em casa, para poder experimentar um Pre, ou algo semelhante.

Ux Lx 2010

Screenshot do site da Ux-Lx

Começa amanhã, no Centro de Reuniões da FIL, a Ux-Lx, uma conferência dedicada à usabilidade e à importância crescente da experiência dos utilizadores, vulgarmente denominada por “user experience”, organizada pelo Bruno Figueiredo (@brunofigueiredo).

O programa é muito bom, mesmo, uma vez que iremos contar com a presença de alguns dos maiores especialistas nesta área, como o Jared Spool, a Donna Spencer, o Peter Merholz ou Steve Krug, autor do muito conhecido “Don’t make me think!”, entre muitos outros excelentes oradores. Honestamente, acho que melhor conjunto de oradores que este era muito complicado.

Felizmente irei estar por lá nos 3 dias, onde irei assistir a 2 workshops, às open sessions e, por último, à conferência propriamente dita, na 6.ª feira. Em relação aos workshops, entre muitas hesitações acabei por me inscrever no da Donna Spencer –  Information Architecture: Just the Essentials e no Product Strategy and Planning Tools do Peter Merholz, sobre o qual tenho bastante curiosidade.

Se alguém estiver pela Ux-Lx e quiser tomar um cafézinho ou, dar 2 dedos de conversa, twittem, digam qualquer coisa, que eu e o resto do pessoal da Active Media (@active_media) estamos sempre disponíveis para conhecer novas pessoas e trocarmos ideias.

Formas alternativas de mobilidade

Desde sempre me interessei por propostas alternativas de mobilidade, que possam facilitar o nosso dia-a-dia e sobretudo que sejam mais eficientes energeticamente e amigas do ambiente. Apesar de cada vez mais pessoas aderirem ao carpooling, a maioiria das pessoas (incluindo eu, por falta de alternativas racionais) faz os seus percursos diários, sozinha em carros de 5 lugares, o que se traduz num gigantesco desperdício energético e na saturação das nossas estradas.

P.U.M.A.

Há algumas semanas, algumas pessoas, incluindo o Pedro Custódio, divulgaram o mais recente projecto da Segway, o protótipo P.U.M.A.. Partindo da tecnologia das segways que existem actualmente no mercado, a G.M. e a Segway estão a desenvolver um protótipo com capacidade para 2 pessoas, ao qual deram o nome de P.U.M.A. – Personal Urban Mobility & Accessibilit. No vídeo seguinte, é possível ver as potencialidades deste projecto. Espero que com todos os problemas económicos que a GM, está a atravessar este projecto não seja posto de parte.

Gocycle

É claro que existe sempre pelo menos uma alternativa amiga do ambiente, as bicicletas. Porém nalgumas cidades como Lisboa, ou para distâncias mais compridas, não é fácil equacionar uma bicicleta como uma verdadeira alternativa de mobilidade.

Felizmente existem, pelo mundo fora, vários projectos com o objectivo de desenvolver uma bicicleta eléctrica, de reduzidas dimensões, não muito pesada e portátil.

Recentemente, descobri um projecto que me parece reunir todas estas características, a Gocycle. Para além de ser bastante apelativa, é flexível, confortável, eléctrica, não muito pesada (entre 12 e 16kgs) e, mais importante, é portátil uma vez que é possível guardá-la facilmente numa pequena mala. Imaginem as potencialidades de uma bicicleta deste tipo, se por exemplo fosse desenvolvido um acessório, em que a mala fosse uma mochila, permitindo que uma pessoa fizesse metade do seu percurso diário de metro e a partir daí, o restante percurso na Gocycle. Infelizmente, um dos únicos problemas da Gocycle deve ser mesmo o preço.

Gocycel

ULTra

Porém, tenho de confessar que a solução que mais me agrada, é a proposta pelo projecto ULTRa PRT. A essência deste projecto traduz-se em pequenos veículos sem condutor, nos quais o passageiro indica o destino e de seguida o veículo, entrando numa espécie de carris, segue o seu percurso, atrás dos outros veículos. De acordo com a sua apresentação:

“ULTra is a revolution in sustainable public transport, providing on-demand driverless travel.

ULTra offers an advanced form of PRT (Personal Rapid Transit), ready for application, giving effective, low cost and sustainable transport for cities, airports and special developments worldwide.”

Mas, o melhor mesmo é verem o vídeo.

Pessoalmente acho que um sistema deste género traria enormes vantagens para a mobilidade urbana de qualquer cidade, acabando com os problemas de estacionamento e com a falta de civismo de alguns condutores. Actualmente, encontra-se em fase de conclusão a primeira implementação deste projecto, no aeroporto de Heathrow.

Eventualmente em próximas implementações, seria interessante que fossem acrescentadas novas funcionalidades que poderiam aumentar a eficiência deste meio de transporte alternativo como fossem, por exemplo a existência de viaturas para apenas 2 ocupantes ou a obrigatoriedade de ao chamar um veículo, o utilizador referir o destino, para caso nos minutos seguintes passasse por ali, um veículo para o mesmo destino, pudessem partilhar esse veículo.

E vocês, em que formas alternativas de mobilidade acreditam?