Bem-vindo 2013

Feliz 2013

Antes de mais, espero que tenham tido uma óptima entrada em 2013.

Tal como tem acontecido com os últimos anos, parece que 2012 passou bastante depressa. Ainda parece que foi ontem, que celebrávamos a entrada em 2012, um ano para o qual nos tinhamos andado a mentalizar que seria bastante difícil.

Passados os 12 meses de 2012, o balanço até é bastante positivo, tanto a nível pessoal, como profissional. Honestamente, se conseguir que 2013 seja igual a 2012 já será bem bom.

Consolidar

Ao nível pessoal, diria que este ano foi sobretudo um ano de consolidação. Sendo uma família de 5, as despesas parece que nunca acabam, mas com alguma racionalização conseguimos levar o barco a bom porto.

Os nossos pequenos continuam a crescer a uma velocidade impressionante. A Leonor, a nossa chinoca, já fez 2 anos, o Eduardo, 3 e a Luisa, que está uma autêntica crescida, já fez 5 em Dezembro. Em princípio, se tudo correr bem, este ano já irá entrar para o 1.º ciclo.

Usabilidade e Front-End

Na verdade, também poderia descrever o meu ano de 2012, ao nível profissional, como um ano de consolidação. Trabalho não me tem faltado na ZON, desde diversos projectos de usabilidade web (entrevistas com utilizadores, card-sortings, arquiteturas de informação, wireframes, criação de protótipos, testes de usabilidade, etc.), até ao desenvolvimento de front-ends, utilizando HTML5 / CSS3 / JQuery, seguindo a abordagem “Responsive Web Design“. Foi um ano bastante positivo. Felizmente, quando me levanto de manhã, sinto-me bastante motivado para ir trabalhar, porque tenho a sorte de gostar muito do que estou a fazer na ZON.

Ao mesmo tempo, graças ao convite da @VirginiaCP, comecei a dar formação na Flag sobre noções básicas de usabilidade, arquitetura de informação e web design, às Academias Flag de Marketing Digital, algo que me deu bastante gozo.

e para 2013?

Muito provavelmente 2013 será um ano mais difícil do que foi 2012. No entanto, há que ter esperança e dar o nosso melhor, todos os dias.

De resto, não há grandes planos, manter o mesmo percurso tanto a nível pessoal, como profissional, com um pequena alteração, tentar escrever com maior frequência neste espaço, do qual tenho muitas saudades.

Um Excelente 2013 para todos.

Imagem da autoria de Nukamari

A nossa nova aventura: Família Verso

Família VersoAo final de um mês de árduo trabalho (e para não variar de total ausência deste espaço) foi finalmente lançado o meu mais recente projecto, com o apoio da Toyota Caetano Portugal, a iniciativa “Família Verso“.

Ainda nos custa a acreditar que é verdade, mas numa iniciativa totalmente pioneira em Portugal, durante 6 meses 1 ano, eu e a minha família iremos experimentar livremente um Toyota Verso, partilhando a nossa experiência num blog (http://www.familiaverso.net) onde também iremos abordar diversas situações relacionadas com o nosso dia a dia, enquanto família numerosa.

Para além deste blog, a “Família Verso” também está presente nas redes sociais (Facebook, Twitter, Flickr, YouTube).

A partir de algumas iniciativas de menor escala, que já se realizaram em Portugal, lançamos o desafio à Toyota Caetano Portugal. A receptividade foi a melhor possível e desde início de Agosto que andamos por ai, a experimentar o Verso.

Por isso acompanhem a família Verso nesta aventura, no blog ou nas redes sociais (FacebookTwitterFlickrYouTube). Comentem, enviem-nos sugestões de conteúdos, partilhem as vossas dúvidas, etc. Estamos a contar com a vossa participação.

Actualizado às 09:37m de 13.09.2010

Contactos do serviço DNS

Nos últimos meses tenho tido vários contactos com o Serviço de registo de domínios .pt da FCCN, os quais têm sido excelentes na resolução e auxílio das mais diversas situações.

Os contactos são simples, uma linha azul, um fax e um email. Várias formas de entrar em contacto com o Serviço, com respostas relativamente rápidas.

Porém no meio de todo este serviço de qualidade, questiono-me porque é que o email tem de ser request@dns.pt e não, pode ser um simples e em português – pedido@dns.pt?

5 anos

1.º post do // Lisbon Lab à 5 anos

Este blog faz hoje 5 anos.

A todos os que vão aparecendo por aqui, Obrigado.

4 anos, 2 meses e 5 dias

Infelizmente, nos últimos tempos tenho andado tão afastado deste espaço, que apenas na semana passada me lembrei que este blog fez 4 anos no passado dia 16 de Fevereiro. Assim sendo, 2 meses e 5 dias atrasado aqui fica a devida nota para o aniversário deste espaço.

A propósito da diminuição do n.º de posts publicados neste espaço, criei um gráfico com a evolução da frequência do n.º de posts nos últimos 4 anos. Em cada ano que se inicia, uma das resoluções é tentar escrever mais no // Lisbon Lab. Lembro-me inclusive que num dos últimos anos, defini a meta da média mensal de 15 posts. Como se pode ver claramente pelo gráfico seguinte, tenho andado bastante longe desses números, apenas no início e durante algum tempo, consegui esse ritmo de publicação, sendo mais comum, andar abaixo dos 10 posts por mês, para não falar dos últimos meses, onde ter tempo para publicar 1 ou 2 posts já é muito bom.

Gráfico de publicação de posts no // Lisbon Lab

Mas a verdade é que tenho saudades de escrever, por isso vou tentar nos próximos tempos voltar ao meu ritmo mensal habitual, entre os 5 e os 10 posts por mês.

E vocês, qual é a frequência de publicação nos vossos blogs? E como tem sido a evolução dessa frequência ao longo dos últimos anos?

(Já agora, é impressionante a inexistência de programas decentes para construir gráficos esteticamente apelativos. Por incrível que pareça, após ter experimentado o Illustrator, acabei por criar este gráfico usando o Keynote da Adobe Apple, que se portou muito bem.)

BloggerView #21 Armando Alves

Infelizmente na semana passada não consegui publicar a bloggerview do Armando Alves, tinha como tinha ‘promotido’, a quando da publicação da entrevista do António Granado. Pois bem, vem com uma semana de atraso, mas mais vale tarde do que nunca.

Para quem não conhece, o Armando Alves é o autor do excelente blog “A Source of Inspiration – fresh ideas for digital creativity”, pelo que é para mim é um enorme prazer poder contar com a sua participação na 2.ª série das Bloggerviews. Eis as respostas dele:

1. Quando é começaste a “blogar”? Quais as principais razões que te levaram a ter um blog?
Armando Alves (A.A)
: A decisão de ter um blog deu-se no início de 2005. Apesar de lidar com desenvolvimento para web desde 2000, e acompanhar de perto o crescimento dos blogs, até à altura sempre achei que não teria nada de interesse para escrever sob a forma de diário cronológico.
A ideia andou a fermentar durante ano e meio, tendo começado a visitar e a participar em blogs, até que no Verão de 2006 lancei o blog “A Source Of Inspiration“, como forma de partilha dos meus interesses.

2. Como surgiu o nome do teu blog?
Na altura que lancei o blog, guardava uma média de 200 bookmarks por mês, a maior parte relacionados com criatividade, design e web. A pasta onde estavam os mais interessantes, organizados por mês, tinha o nome “ASourceOfInspiration”. Daí que, quando decidi criar o blog, essa foi a escolha quase óbvia. O blog teria assim 2 grandes eixos: Source, ao abordar áreas relacionadas com a web e interactividade; Inspiration ao debruçar-se igualmente sobre criatividade e design.

3. Tens metas ou objectivos que pretendes atingir com o teu blog? Quais são?
Uma das metas iniciais já foi em grande parte atingida, ao ter uma audiência internacional. Isso possibilitou-me conhecer profissionais e trocar conhecimentos difíceis de obter aqui em Portugal. Deu-me igualmente oportunidade de participar em inciativas internacionais, como ser guest blogger para o Osocio (o blog de referência em publicidade social) ou de participar com um capítulo no próximo livro Age Of Conversation,

Outra metas ainda por atingir prende-se com o blog servir de meio privilegiado de dar a conhecer o bom trabalho que se faz na área interactiva em Portugal. E claro, escrever um livro tendo o blog como ponto de partida.

4. Em tua opinião, qual é o papel que os blogs podem desempenhar no futuro, por exemplo em empresas ou escolas?
Não é no futuro, é agora. Os blogs já desempenham essa tarefa, apenas não o fazem enquadrados numa estrutura corporativa. Os empregados, os professores, os alunos, os clientes, já usam os blogs como  agente de mudança, quer pessoal, quer organizacional.

O grande passo terá que ser dado pelos decisores, ao aceitar os blogs nas suas várias facetas: de informação, de opinião, de entretenimento, ou de puro diário pessoal, e saber enquadrá-lo no seu ambiente, tirando o melhor partido deste novo canal de comunicação.

5. Como prevês o futuro dos blogs nos próximos anos?
Estamos numa fase em que os blogs têm que se assumir cada vez mais como plataforma de publicação, saíndo do habitual registo de diário cronológico, e passar a oferecer uma experiência mais rica. Widgets, sindicação de conteúdos, redes sociais entre os blogs (o Google está a ir por esse caminho) ou o lifestreaming prometem dar uma nova dimensão aos blogs.

6. Quantos feeds RSS tens no teu agregador de conteúdos? Que agregador utilizas? Porquê?
Neste momento, cerca de 280. O agregador que uso é o Google Reader, sobretudo por conveniência, já que sou utlizador intensivo de outros serviços do Google. Tenho também conta no Netvibes, que uso para guardar outros feeds interessantes mas que não leio com tanta frequência.

7. Qual é a tua opinião sobre os feeds RSS? Que papel pensas que poderão desempenhar no futuro, por exemplo na relação entre os governos e os cidadãos?

Os feeds seguem um modelo “pull” de informação, vindo desintermediar o papel que estava a cargo dos media tradicionais. Se por um lado pode ser benéfico, por outro, pode oferecer uma visão demasiado parcial da informação. O meu conselho é que obtenham informação fora dos feeds em temas que exigam mais reflexão.

Em relação aos governos, e seguindo o raciocínio anterior, é mais importante aos cidadãos obterem uma visão plural dos acontecimentos, do que a informação filtrada por um feed do governo. Até porque, pelo menos no que diz respeito a informação mais institucional, a pesquisa vai continuar a ser a ferramenta mais utilizada. Para comunicação mais informal, vejo mais futuro no microblogging, em serviços como o Twitter.

8. Para ti, qual é a coisa mais importante que está a acontecer na web, neste momento? Porquê?
A coisa mais importante que esta acontecer é … esquece. Já foi. Agora já é outra coisa qualquer. Isto para dizer que o mais me impressiona na web é a sua contínua vontade em inovar, em encontrar novos desafios. Sob o mesmo ponto de vista de inovação, mas pela negativa, as ameaças à criatividade que surgem do DRM, patentes e Net Neutrality.

9. Para além dos blogs, que outro software social utilizas, como o Flickr, Del.icio.us, Digg, LinkedIn, Twitter ou outros?
Todos esses e mais alguns. O que mais me cativou nos últimos tempos foi o Friendfeed, onde podem ver alguns dos outros serviços media sociais que uso.

10. Como analisas o panorama dos media sociais em Portugal e a sua adopção pelos utilizadores web portugueses?
Para começar, a maior parte dos portugueses nem sequer conhece o termo “media sociais”. Isto apesar da penetração de alguns serviços ser deveras impressionante, com o Hi5 à cabeça. Preocupa-me que a adopção se centre sobretudo nos serviços de redes sociais, dando largas a comportamentos voyeuristas. Seria muito mais interessante para a sociedade portuguesa se o fascínio estivesse na capacidade colaborativa dos media sociais, estimulando assim a criatividade, inovação e empreendorismo.

Obrigado pela tua participação Armando. Para a semana (pelo menos, assim espero), não percam a bloggerview de Paulo Querido, autor do blog “mas certamente que sim“.

BloggerViews anteriores:

BloggerView #1: Rui Carmo
BloggerView #2: Nuno Leitão
BloggerView #3: Pedro Custódio
BloggerView #4: Carlos Jorge Andrade
BloggerView #5: Pedro Melo
BloggerView #6: Mónica André
BloggerView #7: André Ribeirinho
BloggerView #8: Beverly Trayner
BloggerView #9: Jose Luis Orihuela
BloggerView #10: Laurent Haug
BloggerView #11: Martin Roell
BloggerView #12: Stowe Boyd
BloggerView #13: Stephanie Booth
BloggerView #14: Dannie Jost
BloggerView #15: Suw Charman
BloggerView #16: Euan Semple
BloggerView #17: Tara Hunt
BloggerView #18: Henriette Weber Andersen
BloggerView #19: Ricardo Bernardo
BloggerView #20: António Granado