A presença do Socialite no Twitter

socialite

A minha faceta geek, leva-me a frequentemente experimentar novas aplicações. Recentemente instalei no meu mac, a aplicação “Socialite” anteriormente, conhecida por Eventbox.

Esta aplicação desktop para MACs permite actualizar e acompanhar vários serviços online como o Twitter, o Facebook, o Flickr e Digg, e ainda ler os feeds da nossa conta do Google Reader, ou mesmo feeds directos, num único interface.

Ora bem, seria natural que uma empresa com uma aplicação com estas funcionalidades soubesse utilizar uma ferramenta como o Twitter, certo? Errado. Presente no Twitter desde 6 de Outubro, a conta @socialiteapp já tem 2 891 followers, o que não é nada mau. Porém até ao momento não segue ninguém.

Como é possível que ao final de 2 meses, a conta de uma das melhores aplicações para gerir presenças em serviços sociais não seguia ninguém no Twitter?

  • http://www.germinar.org nuno

    Talvez porque são honestos? 🙂
    Eu também ainda não percebi bem essa necessidade de se seguir milhares de pessoas… tentei fazer isso,e acabei com uma timeline confusa,cheia de repetições e coisas que não me interessam.
    Cada vez me parece mais que o twitter é uma boa ferramenta de marketing, e que para o resto das pessoas vai ficar cada vez mais confusa.. ou então sou só eu que gosto de coisas simples 🙂

  • http://blog.lisbonlab.com HugoNS

    Nuno
    Eu também não defendo que se siga pessoas, apenas por seguir, numa luta desenfreada sem qualquer objectivo. Uma boa política, por exemplo, pode ser seguir todas as pessoas que nos mencionam. Pessoalmente, quando se trata de contas de Twitter de empresas ou marcas, prefiro a política de seguir todos os followers destas, que não sejam spam/bots. Desta forma, as empresas ou marcas reforçam a ideia de que estão verdadeiramente interessadas no que as pessoas têm a dizer sobre si, permitindo inclusive que os seus followers lhes enviem uma mensagem directa, numa espécie de assistência via Twitter. Infelizmente, são raras as empresas que estão preparadas para este tipo de interacção com os seus públicos.

  • http://www.imhugo.com Hugo Fernandes

    Concordo contigo Hugo. Na minha opinião é necessário distinguir um uso pessoal do Twitter de um uso virado para a comunicação empresarial. Neste último caso é imperativo haver uma partilha de ligações entre utilizador e gestor da app.
    Aliás, não é para isso que estas coisas da web social deviam servir? Comunicar e não apenas ouvir ou falar?