A história dos blogues em Portugal

Eis a minha contribuição para a discussão dos últimos dias (que apanhei aqui, aqui e aqui), com base numa secção do 1.º rascunho da minha dissertação de Mestrado sobre blogues.

« Os blogues em Portugal

Em Portugal, o fenómeno dos blogues apenas começou a dar os primeiros passos a partir de 1999, com o “Macacos sem galho” e o “Dee’s Life“, em Março e Outubro de 1999 respectivamente e o “Altas Doses de Cafeína” em Agosto 2000.

Tal como é referido no website “blogo“, numa iniciativa intitulada “25 momentos na história da blogosfera – Um olhar retrospectivo da blogosfera portuguesa” nesta primeira fase tratava-se de “um grupo ainda restrito de indivíduos, interessado sobretudo num registo intimista, e constituído na maioria dos casos por estudantes e adeptos das novas tecnologias” (2005).

A partir de 2001, surgem os primeiros blogues ligados à área do jornalismo e da comunicação social, como por exemplo o “Ponto Média“, cujo primeira entrada da autoria do jornalista António Granado, data de 2 de Janeiro de 2001. Em 2002 iniciaram actividade o “Jornalismo Digital” (Fevereiro), o “Jornalismo e Comunicação” (Abril), o “Contrafactos & Argumentos” (Setembro), a “Aula de Jornalismo” (Novembro), e o “Fim do Jornalismo” (Dezembro), entre outros.

No entanto, só em 2003 se assistiu ao verdadeiro crescimento da blogosfera nacional. No primeiro “recenseamento” da blogosfera nacional realizado por Pedro Fonseca, em Janeiro de 2003 foram encontrados 174 blogues. Em Julho do mesmo ano, aquando do encerramento do “Blogs em .PT“, um dos primeiros directórios portugueses de blogues, a lista deste serviço já reconhecia a existência de mais de 900 blogues nacionais.

Alguns dos mais importantes blogues da história da blogosfera nacional apareceram em 2003, como é o caso dos blogues humorísticos “Gato Fedorento” (Abril) ou “O meu pipi” (Maio), que julgamos terá sido, até ao momento, um dos blogues a gerar mais atenção à sua volta. Na área da política o blogue “Abrupto” (Maio) da autoria do historiador e comentador político José Pacheco Pereira, trouxe algum protagonismo à blogosfera portuguesa, conforme relata Querido & Ene (2003),

“A blogosfera portuguesa já mexia com mais de um milhar de editores a publicar numa base diária, mas faltava algo, um acontecimento de repercussão mediática, para lhe conferir a visibilidade que muitos reinvidicavam e colocar os blogs definitivamente na agenda.” (p. 23)

Segundo Querido & Ene, “José Pacheco Pereira tornou-se na primeira figura de dimensão nacional a ter um “blog” e a ser por isso notícia” (p.23). O “Abrupto” tornou-se assim rapidamente num dos blogues mais visitados e mais citados da blogosfera portuguesa, tanto noutros blogues, como inclusive na meios de comunicação social nacionais. Por exemplo, aquando da morte de Álvaro Cunhal, a reacção do ex-eurodeputado do PSD e biógrafo não oficial do líder comunista, foi efectuada exclusivamente através do seu blogue, o que motivou várias citações por parte dos media tradicionais.

O ano de 2003, fica igualmente marcado pelo aparecimento do primeiro espaço português de alojamento de blogues, o “Weblog.com.pt“, em Junho. Este inovador serviço da responsabilidade do jornalista Paulo Querido tinha por objectivo constituir-se como uma alternativa nacional à plataforma “Blogger“, anteriormente referida. Alguns meses mais tarde, em Novembro, é lançado o serviço “blogs do SAPO” do portal “SAPO“.

Por último, mas não menos importante, 2003 é também o ano, em que é editado, o primeiro livro português sobre weblogues, intitulado “Blogs“, da autoria de Paulo Querido e Luís Enes.

No final de 2003, o número de blogues em Portugal tinha já ultrapassado largamente os 2000, sobretudo graças à grande explosão do mês de Junho.

O crescimento verificado na blogosfera nacional em 2003, continuou a verificar-se nos anos seguintes, da mesma forma, que esta foi ganhando maior visibilidade junto dos media tradicionais. Este crescendo de notoriedade deve-se sobretudo a algumas figuras públicas que para além dos seus espaços de opinião pública em jornais, rádios ou televisões têm blogues onde escrevem periodicamente, como é o caso do já referido José Pacheco Pereira, com o Abrupto, Vital Moreira ou Ana Gomes com o “Causa Nossa“, Daniel Oliveira com o “Arrastão” ou Francisco José Viegas, primeiro com o “Aviz” e, mais recentemente com o “Origem das espécies“.

Mais recentemente, alguns media tradicionais passaram a incluir blogues nas suas versões online. Por exemplo no jornal semanário Expresso é possível encontrar 16 blogues sobre os mais variados temas, e no jornal diário Público para além de 3 blogues próprios, “Fugas“, “Timor” e “O provedor do Leitor“, alojados na plataforma “Blogger” é ainda possível ter acesso a 8 blogues convidados, incluindo o “Ponto Media” da autoria do jornalista e editor do “Publico.pt“, António Granado.

Outros meios de comunicação social reconhecem nos blogues um papel importante como meio de ligação entre alguns programas de televisão ou rádio e os espectadores ou ouvintes. Por exemplo na SIC-Notícias, os programas “Quadratura do Círculo” ou “O Dia Seguinte” dispõem de blogues onde os espectadores colocam as suas questões ou dúvidas aos comentadores residentes. A TSF, através dos “Fórum da TSF” e “Bancada Central“, prepara-se para introduzir o mesmo conceito.

Actualmente, a esmagadora maioria dos blogues portugueses encontra-se alojada no Blogger, nos blogs do SAPO, no Weblog.com.pt, adquirido em Janeiro de 2006 pela AEIOU, no Blog.pt ou num domínio e alojamento próprio. Alguns blogues mais antigos têm vindo progressivamente a sair das plataformas de blogues para os seus próprios domínios e alojamentos, como é o caso do blogue “Adufe”, que tendo sido criado em Julho de 2003 e depois de uma passagem por 3 plataformas diferentes, está, desde Janeiro de 2007, disponível em http://adufe.net/.

Referências bibliográficas:

  • Querido, P. & Ene, L. (2003). Blogs. Lisboa, Portugal: Centro Atlântico.

»

Como sempre neste espaço, correcções, comentários e/ou sugestões serão muito bem-vindos.

  • http://jonasnuts.blogs.sapo.pt Mª João Nogueira

    Hum…. acho que o WordPress já é mais significativo que o weblog.com.pt.

    🙂

  • http://alcidesfonseca.com Alcides Fonseca

    Acho que te falta abordar um aspecto da história dos blogs, que foram provavelmente os primeiros blogs de todos: os blogs técnicos.

    Em 1999 também eu abri o meu primeiro blog. Começou por ser uma página no terravista, e não se chamava blog, chama-se notícias (que estavam relacionadas comigo) mas que no fundo eram um blog. (Abri no final de 2000 o primeiro blog dinâmico escrito por mim em PHP).

    E como o meu caso existem muitos mais, de pessoas de cariz técnico, que têm um blog que o resto da comunidade segue. Não conheço muitos portugueses dessa altura, mas não duvido que existam.

  • http://blog.lisbonlab.com HugoNS

    @Mª João Nogueira
    Tens toda a razão… Também não tenho números mas de certeza que, neste momento o WordPress.com deve ser mais representativo do que o Weblog.com.pt. É uma alteração /actualização que tenho de fazer.

    @Alcides Fonseca
    Tens toda a razão, mas infelizmente existem poucos dados sobre esses “blogs”, que eu reconheço como tal.
    Era muito interessante, se se conseguisse fazer um pequeno levantamento sobre as pessoas que por essa altura já mantinha espaços, actualizados periodicamente. Por acaso lembras-te do endereço da tua página no Terravista?

    Se existirem por ai outras pessoas na mesma situação que o Alcides, por favor digam, para podermos ser o mais exactos possíveis na história dos blogues em Portugal.

  • http://blog.delaranja.com André Ribeirinho

    Ainda não tinha lido nenhum post sobre a história dos blogs em Portugal que fosse tão completo. Excelente trabalho.

    Em 1999, ainda na universidade, mantinha um lista de coisas interessantes ordenadas por ordem cronológica inversa. Só que não lhe chamava um blog e era uma página html escrita à mão. Podem ver um cópia: http://web.archive.org/web/20010503223802/mega.ist.utl.pt/~acrib/

    Mas a questão não está em ver quem individualmente quem é o mais antigo mas em perceber historicamente em que altura começou o fenómenos dos blogs em Portugal.

  • Pingback: domelhor.net

  • Pingback: Certamente! blogosfera: Ainda os cinco anos da blogosfera portuguesa

  • http://www.browserd.com Pedro Rebelo

    É mais ou menos como refere o André Ribeirinho, a questão não é quem é o mais antigo mas sim quando terá começado o fenómeno dos blogs em Portugal ou ainda mais concretamente, desde quando se poderá falar na existência de uma blogsfera em Portugal. O Paulo Querido tomou a liberdade de lhe atribuir uma data de aniversário (há 5 anos atrás) e eu limitei-me a comentar que tal me parecia um pouco despropositado e a salientar a coincidência desta data com o nascimento do antepassado do seu blog pessoal. O Paulo Querido não gostou. Aliás, como nunca gosta desde que alguém contrarie o que ele escreve… Adiante que não é dele que se trata. Sabemos como relativo é o termo blogsfera, Dificilmente alguém poderia atribuir uma data certa para o dia em que alguns blogs portugueses começaram a coexistir como comunidade mostrando através de links o respeito uns pelos outros mas sabemos no entanto, que mais não seja por experiência própria, que esse tipo de relação existia já antes de 2003…

  • http://memoriavirtual.net Leonel Vicente

    Caro Hugo,

    Se me é permitida a ‘achega’… tenho tido o prazer de escrever algumas coisas sobre a evolução da blogosfera em Portugal, que podem ser consultadas (por exemplo), aqui:

    http://leonelvicente.jottit.com/7._pulsar_diários_virtuais

    Ou, no que respeita aos anos de 2003 a 2007, retrospectivas de alguns aspectos relacionados com a blogosfera:

    http://leonelvicente.jottit.com/7.1._blogosfera_em_2003
    http://leonelvicente.jottit.com/7.2._blogosfera_em_2004
    http://leonelvicente.jottit.com/7.3._blogosfera_em_2005
    http://leonelvicente.jottit.com/7.4._blogosfera_em_2006
    http://leonelvicente.jottit.com/7.5._blogosfera_em_2007

    Tudo publicado originalmente no Memória Virtual:

    http://memoriavirtual.net

    Peço desculpa pelo ‘abuso’…

    Abraço.

  • http://memoriavirtual.net Leonel Vicente

    O primeiro link não saiu bem… (não tem activa a parte final); aqui fica a correcção:

    http://leonelvicente.jottit.com/7._pulsar_diários_virtuais

  • http://memoriavirtual.net Leonel Vicente

    Pois, parece que não funciona a activação do link… será melhor copiá-lo para o browser.

    Novo pedido de desculpas, agora pelo ‘abuso’ de 3 comentários consecutivos…

  • http://www.sulfurio.com Sulfúrio

    Expresso, Caderno XXI de 28 de Dezembro de 1996, por Paulo Querido:
    “Top 10 de 1996: Público, Blitz, Dn, Parlamento, Sapo, Cusco, H2So4 (Sulfúrio, pois), Top5 e Imagine+.”

    Isto era 1996, não só já o Sulfúrio existia fazia um ano e como o éter.na.mente tinha existido um ano e meio antes disso. É claro que nenhum se chamava “blog”, mas já ambos tinham o fudamental: posts regulares e com data, arquivo por datas, sistema de comentários e até sidebar, cum caneco…

    endereços originais:
    http://www.geocities.com/athens/9020
    http://www.ip.pt/~ip238852/
    http://www.arede.pt/eter (rezo para que o PQ ainda tenha backups disto…)

  • http://the.taoofmac.com Rui Carmo

    Erm. Pois…

    Já agora, havia outras coisas em 2001. Aliás, elas estão referidas aqui:

    http://blog.lisbonlab.com/2006/01/09/bloggerview-1-rui-carmo/

    E tenho a certeza de que existem várias outras referências da era de 2001 ainda disponíveis no webarchive.org. Não creio que seja interessante (ou válido do ponto de vista histórico) confundir-se a “blogoesfera” nacional com a “egoesfera” que a sucedeu…

  • http://jonasnuts.blogs.sapo.pt Mª João Nogueira

    E nesses tempos longínquos de 1997 e de 1996 não esquecer o Terràvista 🙂

  • http://www.sulfurio.com Sulfúrio

    >…não esquecer o Terràvista
    http://www.sulfurio.com/1998/08/15/nao-percebi/

  • http://jonasnuts.blogs.sapo.pt Mª João Nogueira

    Ehehehehe, que belas memórias ::)
    Foi divertido reler os acontecimentos de 98, vistos de fora. Very good.
    Já agora, de facto, o Luís Soares demitiu-se de uma porra de sítios na altura 🙂

  • http://www.browserd.com Pedro Rebelo

    Quanto mais leio mais confirmo o que referi inicialmente. Não se pode afirmar que a blogsfera nacional tenha surgido em 2003. Se tanto, que muitos dos que hoje por cá andam surgiram nesse e a partir desse ano. No entanto já são mais que muitas as referências à tal “consciência colectiva” antes e muito antes desse ano… Chamar “punhado de sites” ao que existia então é mostrar um profundo desconhecimento de causa ou então é descaradamente elevar egos à custa de incautos desconhecedores da realidade… O que mais me chateia é ser eu acusado de tal cada vez que me insurjo contra tais manifestações…
    Adiante que não vale a pena…

  • http://blog.lisbonlab.com HugoNS

    Antes de mais, muito obrigado a todos pelos vossos comentários.

    @André Ribeirinho
    Obrigado pelo elogio, mas há por ai artigos muito interessantes e bastantes completos como por exemplo os excelentes posts do Leonel Vicente.

    @André Ribeirinho e Pedro Rebelo
    Concordo convosco, o mais importante não é saber propriamente quem é o mais antigo, mas sim perceber o aparecimento do fenómeno dos blogs em Portugal. Pessoalmente não pretendo ser o escritor desta história, mas apenas o narrador dos factos.
    Assim, reforço a minha ideia inicial, toda a informação para melhorar a narração desta história será muito bem-vinda.

    @Leonel Vicente
    Eu conheço o seu trabalho muito bem, que tem sido (ou melhor dizendo) foi uma importante ajuda nas minhas escritas sobre blogues.
    Muitos parabéns pelo excelente trabalho, que espero continue por muitos e longos anos.

    @Sulfúrio
    Obrigado pela referência que desconhecia de todo.

    @Rui Carmo
    As minhas desculpas, tens toda a razão. Mais uma importante referência.

    @Mª João Nogueira
    Eu acho que o valor do Terràvista na net em Portugal é inquestionável. Quantos de nós não tivemos o nosso primeiro espaço na web, no Terràvista?

    @Pedro Rebelo
    Eu acho que mais importante do que saber em que ano exacto nasceu a Blogosfera portuguesa (tarefa impossível e jamais consensual) é mesmo perceber como surgiu e evolui o fenómeno dos blogs em Portugal.

  • http://blasfemias.net Gabriel Silva

    Um bom resumo e estou curioso de ler em breve a tese do Hugo.

    Testemunho eu:
    Do que me apercebo, de facto foi a partir de abril/maio de 2003 que os blogs enquanto realidade pre-existente tomaram uma dimensão pública e alguma relevância. Tal deveu-se sobretudo ao impacto de discussão entre o Coluna Infame eo BdE (Blogue de esquerda) iniciada nos finais de 2002 e até maio de 2003, resultando no fim da Coluna Infame.
    Os intervenientes não eram figuras públicas, embora ligados em parte á comunicação social. Mas devido não apenas á qualidade da escrita, á argumentação, ao objecto da discussão (essencialmente a guerra do riaque e posicionamento esquerda/direita), foram arregimentando um publico fiel dessas discussões tão acessas. Discussões que se processavam em termos formais e de conteudos distintos e com valor acrescentado do que se tinha acesso em outros meios de opinião publica e publicada. Obviamente tal levou os leitores mais interessados a irem recriando replicas desses dois espaços, consoante o seu posicionamento, mesmo porque se descobria que tal plataforma era fácil de usar, ou porque pretendiam também intervir na discussão,a crescentar ou rebater argumentos.
    A comunicação social descobriu tal coisa, como fenómeno que escapava ao previamente estabelecido e deu grande destaque ao fim «abrupto» da Coluna Infame. Com esse acto uma outra série de pessoas, nas quais me incluo, deram conta do fim de algo de que desconheciam sequer a existencia. No meu caso, nagvegando na internet todos os dias, fiquei realmente surpreendido. Como poderia um tal de blog suscitar tanta paixão, quem eram esses tais de mexia, coutinho, daniel ou mário silva que na obscuridade de um cantinho da internet conseguiram que as suas tricas justificassem a imprensa deles falar?
    Ao ler as primeiras páginas da coluna infame (extinto dois dias antes) e do BdE percebi. E ao fim de 5 minutos tinha o meu blog.
    Devo referir ainda, em termos de comunidades de leitores e fonte futura de muitos bloggers, o extinto «Pastilhas». Embora não fosse das minhas leituras, apercebi-me á posteriori que teve um papel relevante em termos de criação de modos de conversação, relacionamento, hábitos de escrita, publico fiel, e sentido de comunidade, tão caracteristica dos blogs.

    Fica dito.

    E acrescento:
    Sendo certo que a chegada de figuras publicas aos blogs atraiu a atenção dos media tradicionais (nota: Daniel não era figura publica…), julgo ser de contrariar a ideia de que tais figuras tem algum protagonismo nos blogs apenas por serem «figuras publicas» «lá fora». É a meu ver totalmente errado deduzir tal coisa. Quem se lembrar daqueles tempos, recordará o José Magalhães, o Mário Lino, o Oliveira Martins e tantos outros politicos que fizeram a sua perninha nos blogs. Sem sucesso. Pois não basta ser «figura públcia», sendo necessário ter «substancia» e senão dominar, no mínimo adaptar-se ao meio blog. Ainda hoje, existem «figuras publicas» presentes nos blogs que tem uma atenção e relevancia substancialmente inferior ao seu peso exterior. Penso por exemplo em Medeiros Ferreira, na Joana Amaral Dias, no Patinha Antão, Miguel Frasquilho e tantos outros. Se escreverem um artigo no jornal serão citados e discutidos nos blogs. Mas se escreverem nos blogs poucos os lêem.
    Terminado.

  • Pingback: Blog Clippings » eCuaderno

  • http://re21.wordpress.com/ re21

    Parece que o Mestrado deste Jovem está mesmo todo “truncado”, mas já agora digam-me onde entra o Terràvista e as páginas pessoais nesta história dos blogues em Portugal?.Um abraço.

  • http://inacreditavel.ioio.info/ alex

    Eu comecei há 10 anos (27 Abril 1998) e o meu Chornal do Inacreditável continua bastante activo.

  • Patrícia Torrado

    para mim o fenómeno Blog é recente. Participei no teu inquérito e nessa altura nunca tinha participado num blog (para além de dar uma vista de olhos, nunca tinha utilizado desta possibilidade de deixar um comentário). Mais longe estava ainda de ter um blog. Neste momento tenho dois… quer dizer… sou gestora de dois!
    De facto, não tenho nenhum blog meu – de caracter pessoal – mas acredito que têm o meu cunho pessoal. Ambos os blogs podem ser considerados institucionais, não deixando contudo de ser blogs.
    Como é esta realidade? Há estudos sobre esta necessidade de tantas organizações (públicas e privadas) criarem blogs? …

  • 2 Arquitectos 2 Pintores

    A Biblioteca FCT/UNL propõe uma exposição da autoria de Rosário Ribeiro e José Moura – George. A exposição “2 Arquitectos 2 Pintores” estará patente ao público na sala de exposições da biblioteca, de 16 Abril a 5 Junho de 2009, das 09:00h às 20:00h, de 2.ª a 6.ª.

    A matemática tem destas coisas: 2+2=2.
    Assim pode ser definida a nova exposição que a Biblioteca da FCT no Campus de Caparica apresenta. Por uma feliz coincidência, 2 Arquitectos que “pintam” ou 2 Pintores que “arquitectam” entenderam-se numa confluência cromática com e sem contornos definidos, do abstracto ao figurativo sugerido.

    A exposição tem uma história.
    Rosário Ribeiro e José Moura-George não se conheciam. A Biblioteca encontrou pontos comuns na obra dos dois pintores/arquitectos e apresentou-os. Uma grande generosidade e abertura foram encontradas para levar a cabo a realização de uma exposição em comum. Esta dupla identidade levou ainda a Biblioteca a fazer mais um pedido. Que o espaço “cenário” de exposição fosse comissariado e transformado pelos artistas. Assim, um conjunto de trabalhos será apresentado numa envolvente recriada pelos autores.
    Um duplo desafio e um deleite para o visitante.
    José J. G. Moura

    Para mais informações: http://biblioteca.fct.unl.pt
    http://bibliotecaunl.blogspot.com/

  • Andreia Mandim

    Estou a fazer um artigo sobre blogosfera, e estou com dificuldades em perceber a sua história. Como tal, pedia que me contactasses, caso estejas interessado em colaborar e me ajudar: andreiaalmeidamandim@gmail.com. Pedia que apagasses este post para não se tornar público o meu e-mail.Obrigada.

    Cumprimentos,
    Andreia Mandim