A nova web e os media

Na semana passada, quando andava à procura do livro “La revolución de los blogs” de José Luiz Orihuela (infelizmente acho que ainda não existe, à venda, em Portugal) encontrei acidentalmente o livro “Geração Blogue” de Giuseppe Granieri (http://www.bookcafe.net/blog/). Apesar de já ter ouvido qualquer coisa sobre este livro, confesso que não me despertava grande interesse, pelo menos um interesse imediato. Porém ao folhear o livro, encontrei, por acaso, um parágrafo, que considero ser uma análise muito pertinente à situação em que se encontram os media face à nova web.

“Parece um paradoxo, mas é como a história de Pedro e o Lobo. Os próprios media, depois de terem gritado “O lobo! O lobo!” durante anos, procurando convencer-nos de que a Rede estava a trazer modificações substanciais à nossa sociedade (porque tinham sido inventados os portais, porque se podia ligar uma webcam ao computador, porque Wall Street descia), têm hoje muita dificuldade em compreender que algo aconteceu realmente. E se alguém o intui, como Pedro quando viu mesmo o lobo, quase ninguém acredita nele.”

Não sei se a melhor analogia será mesmo a história de Pedro e o Lobo, mas não deixa de ser verdade que depois de anos a fio, a falarem sobre as modificações que a web estava a provocar nas nossas sociedades, actualmente os media têm grandes dificuldades em admitir e assimilar que a mesma web esteja a provocar grandes mudanças na sua própria área, adiando-as o mais que podem.

Nem por coincidência, “The Bivings report”, na sequência de um estudo que realizou a cerca de 100 jornais norte-americanos, publicou recentemente 2 artigos com várias sugestões para os jornais poderem melhor o seu serviço:

  1. Utilizarem tags;
  2. Disponibilizarem feeds rss com os artigos completos, suportados em anúncios;
  3. Trabalharem em parceria com websites sociais externos, como o del.icio.us;
  4. Fazerem ligações para entradas de blogs relevantes para a notícia;
  5. Livrarem-se dos registos;
  6. Fazerem parcerias com bloggers locais;
  7. Disponibilizarem formas alternativas de aceder aos conteúdos;
  8. Modernizarem os seus aspectos gráficos;
  9. Aprenderem com o Craiglist
  10. Adaptarem o conteúdo para telemóveis e PDAs
  11. Permitir que os utilizadores comentem as notícias;
  12. Melhorar as funcionalidades de pesquisa;
  13. Usar o HTML correctamente;
  14. Focar nas notícias locais e regionais;
  15. Abrirem os seus arquivos;
  16. Providenciarem versões multi-lingua;
  17. Disponibilizarem conteúdo suplementar, sobretudo os conteúdos de suporte à produção às notícias;
  18. Publicarem todas as cartas recebidas pelos editores;

Para uma leitura mais completa de cada um destes itens aconselho a leitura dos artigos originais, onde poderão inclusive, sugerir outras funcionalidades:

http://www.bivingsreport.com/2006/9-ways-for-newspapers-to-improve-their-websites
http://www.bivingsreport.com/2006/discussion-roundup-ways-to-improve-newspaper-websites/

Novo design e novas funcionalidades

Desde 1 de Setembro, que o lisbonlab tem um novo design e algumas funcionalidades novas.

Como se poderão lembrar, ainda há alguns meses mudei o template deste blogue, numa alteração radical de aspecto gráfico, suportada em alguns plugins “AJAXianos“.

Apesar de continuar a gostar do template “SevenGreen” tenho de reconhecer que, para mim e para o tipo de “blogging” que faço, ele tem 3 deficiências:

  • Antes de mais, o template “SevenGreen” foi concebido dentro da filosofia de outros templates como o Hemingway (http://warpspire.com/hemingway), que na minha opinião, preconizam a evolução da tradicional apresentação dos blogues, dos 5 ou 10 posts por ordem cronológica, do mais recente para o mais antigo para um maior destaque de, no máximo, os últimos 2 textos publicados. No entanto esta evolução apenas funciona com bloggers, que raramente publiquem mais do que um post por dia, normalmente artigos extensos. Ou seja, com o template anterior, quando publicava mais de um post por dia, ou mesmo, 2 posts, em 2 dias seguidos, havia sempre o risco do post mais antigo passar despercebido aos leitores que se deslocam ao website (acredito que ainda existe muita gente que leia blogues sem usar agregadores/leitores de conteúdos).
  • Por outro lado, o template “SevenGreen” não primava pela usabilidade, quer pela colocação da navegação secundária, de extrema importância num blogue na parte inferior do ecrãn mas também pela existência de alguns pormenores pouco intuitivos para o utilizador, através do recurso a AJAX.
  • Por último, e mais importante, o template “SevenGreen” era demasiado impessoal.

Assim sendo, tomei a decisão de voltar à fórmula inicial, criando para esse efeito um novo template, com uma série de novidades que apelidei de GreenLisbon.

Em primeiro lugar, este novo template está optimizado para uma resolução de 1024 x 768 pixeis, uma vez que acredito que a maioria dos utilizadores usa esta resolução. Não tenho conhecimento de estudos sobre a resolução dos monitores em Portugal, mas nos EUA, de acordo com o Jakob Nielsen (http://www.useit.com/alertbox/screen_resolution.html) apenas 17% utiliza monitores com uma resolução 800×600 pixeis.

De seguida há assinalar a implementação de 4 plugins novos:

E a integração com a minha conta do coComment (http://www.cocomment.com/?box), que permite aos leitores do lisbonlab, acompanhar os meus comentários na blogosfera.

Por último, mas não menos importante, finalmente criei um logótipo para a marca “lisbonlab” e o respectivo favicon.

Naturalmente, o template “LisbonGreen” ainda não está totalmente concluído, faltando limar algumas pequenas arestas, nomeadamente corrigir pequenas correcções no css e criar uma folha de estilo para o modo de impressão, mas pelo menos é desde já XHMTL 100% válido.

Como sempre, os vossos comentários e sugestões são muito bem vindos.

BarCampPortugal

BarCamp

Para quem ainda não sabe, vai realizar-se este fim-de-semana o BarCampPortugal, em Coimbra, mais precisamente no Departamento de Engenharia Informática, Universidade de Coimbra.

Para quem não sabe o que é, o BarCamp é um espaço de partilha e apreendizagem num ambiente aberto e informal, um evento intenso de debates, interacção entre os participantes e demonstrações.

Eis as apresentações, os workshops e as demonstrações previstos até ao momento:

  • How I learned to stop worrying and love innovation – Fred / Webreakstuff
  • How technology is changing markets – The music industry scenario – Marcos Marado (Presentation in Portuguese)
  • SHiFT presentation – Pedro Custódio
  • Web development made easy, meet ruby on rails (in portuguese) – Tiago Pinto & Tiago Macedo & Frederico Oliveira
  • Simple and wonderful FreeBSD Jails (in Portuguese) – Francisco Alves Cabrita
  • How we built weSpendMoney (tips and experiences on Rails) – Pedro Sousa
  • Cartão do Cidadão, refexão segurança e web2.0 (Portuguese/English) – Adriano Afonso
  • Discussão livre: Pequeno dicionário inglês-português sobre tecnologia para jornalistas e bloggers (in Portuguese) – Carlos Duarte
  • Demonstração do Goplan – Webreakstuff
  • Demonstração do weSpendMoney – Pedro Sousa

Atendendo ao presumivel programa do evento, este é claramente um evento a não perder. Porém, infelizmente eu não vou poder estar presente. Vou ficar à espera do próximo, um dia destes e até lá temos sempre a SHiFT, afinal já só faltam 27 dias.