“O que é um ecrã?” [2]

Antes de mais gostaria de referir, que os interessados em obter mais informação sobre esta investigação realizada pelo Prof. Fernando Ilharco, poderão consultar o seu site em www.ilharco.com, no qual poderão ter acesso a papers e material de diversas conferências sobre este tema.

Em complemento ao meu anterior post sobre esta investigação, sinto-me na obrigação de fazer uma nota. De acordo com o Prof. Fernando Ilharco esta investigação é uma investigação fenomenológica e portanto substantiva, pelo que se debruça sobre os ecrãs propriamente ditos e não sobre os seus eventuais conteúdos. Deste modo, não se pretende menosprezar a possível relevância dos conteúdos dos ecrãs, mas simplesmente o objecto de estudo não são estes, mas sim os ecrãs.

Nesta perspectiva substantivista, na linha de McLuhan, que afirmava "The Medium is the message" é mais compreensível a investigação do fenómeno dos ecrãs, na tentativa de compreender o modo como os ecrãs moldam a sociedade.

Technorati Р10 milh̵es

Finalmente aconteceu. Confirmando o crescimento exponensial da blogosfera, o Technorati ultrapassou os 10 milhões de blogues observados – 10,046,861.

É impressionante o aumento verificado nos últimos meses. Em Fevereiro quando realizei o meu 1.º estudo sobre este fenómeno, o Technorati registava 6.746.125 blogues, o que significa que em pouco mais de 3 meses se verificou um aumento de mais de 40%.

Será que este aumento será para continuar ou irá acabar por estabilizar, nos 15 milhões, por exemplo? Resta-nos aguardar pelos próximos meses.

Putfile

Na sequência do último post, sobre os serviços de upload de videos do Google, devo fazer referência a um serviço similar que descobri recentemente, o PutFile, no qual é possível fazer upload de vários tipos de ficheiros multimédia – .jpg .gif .png .wmv .avi .mpg .mov .asf .swf. No caso dos 3 primeiros tipos de ficheiros, o limite é de 2 MB, enquanto os restantos é de 10 MB.

A grande diferença em relação ao Google Video é que funciona realmente e ainda por cima, de uma forma bastante simples e intuitiva, pelo que recomendo vivamente a sua experiência.

Entretanto, a espera pela conclusão da submissão do video no Google Video continua. Até quando???

Google Video – crítica

Em Abril, expressei neste mesmo espaço a minha esperança relativamente à funcionamento da versão beta do Google Video e à interessante funcionalidade que este novo serviço prometia oferecer gratuitamente – upload de videos.

Sendo um utilizador frequente do Gmail e um fã dos serviços disponibilizados pelo Google, lancei-me rapidamente à experiência deste novo serviço. Para minha grande satisfação, o processo de upload foi extremamente simples, ao contrário das várias tentativas com o portal Ourmedia. Na verdade todos os passos da minha responsabilidade foram executados com sucesso, pelo que fui informado do seguinte:

Submission complete; we’ll email you when your video has been verified.

Infelizmente, desde dia 14 de Abril, dia em que tal como o Google Video confirma, eu submeti o video, não existiu qualquer alteração, pelo que continuo à espera que ele seja verificado.

Perante esta situação, começo a acreditar nos rumores que circulam pela blogosfera, nos quais é dito que a disponibilização da funcionalidade de upload de videos pelo Google Video, tem unicamente como objectivo recolher videos amadores em número suficiente para a equipa de desenvolvimento poder testar em pleno as funcionalidades do motor de busca de vídeos.

Resta-me aguardar por alterações no ponto de situação da submissão do meu vídeo.

2º Encontro de Weblogs

Na sequência do êxito do Encontro de Weblogs, realizado na Universidade do Minho, ao qual infelizmente não pude assistir, irá realizar-se nos dias 14 e 15 de Outubro, o 2.º Encontro de Weblogs, organizado pelo Laboratório de Comunicação (LabCom) da Universidade da Beira Interior.

Para além dos temas já definidos pela organização, Weblogs Pessoais, Cultura, Política, Ensino, Jornalismo, existem outros 3 ainda em aberto, mediante proposta dos participantes. Neste momento já existem alguma propostas para estas 3 vagas, entre as quais os blogues e a tecnologia, os blogues e as relações públicas, os blogues e os jogos, blogs e imagem, blogues regionais e os blogues nas organizações e o anonimato nos blogues, propostas sugeridas por mim.

A avaliar pelos temas já definidos e pelos propostas em aberto, penso que este encontro tem tudo para ser um excelente espaço de debate e reflexão sobre o fantástico fenómeno dos blogues.

Os interessados em participar poderão passar pelo blogue do evento, aqui, e apresentarem as vossas propostas.

“O que é um ecrã?” – uma investigação fenomenológica

A investigação fenomenológica de um ecrã apresentada ontem na Universidade Católica Portuguesa por Fernando Ilharco, de sua autoria em colaboração com L. Introna, é baseada no Método de investigação fenomenológico de Husserl e Heidegger, que consiste nos seguintes passos:
1. Descrição do fenómeno ecrã;
2. Análise da etimologia de ecrã;
3. Redução do fenómeno ecrã a um objecto intencional da consciência;
4. A essência do ecrã.

De seguida apresento as informações mais relevantes de cada fase apresentadas por Fernando Ilharco.

1. Descrição do fenómeno ecrã:
Actualmente há mais ecrãs do que pessoas, no mundo.
As pessoas estão bastante familiarizadas com os ecrãs, no entanto, de acordo com a perspectiva de Heidegger, muitas vezes quanto maior a familiaridade, menor o conhecimento desse objecto
Normalmente, o ecrã está associada à ideia de atenção, relevância e mediação.

2. Análise da etimologia de ecrã:
Na investigação fenomenológica, a etimologia é apenas um instrumento para descobrir qual é a evolução da palavra, para onde aponta a palavra.
Em síntese, "to screen" traduz-se em 3 ideias principais:
– projectar/mostrar;
– esconder/proteger;
– testar/seleccionar;
Qualquer uma delas relacionada com a atenção/chamar a atenção.

3. Redução do fenómeno ecrã a um objecto intencional da consciência:
A atenção, a chamada de atenção e a relevância são 3 características obrigatórias do ecrã. Estas características são próprias do ecrã e não dos seus conteúdos.

4. A essência do ecrã:
O ecrã é essencial, comum e global, sendo que a sua relevância assenta num tema (situação, actividade, local).
Significado essencial do ecrã – relevância num contexto de um acordo prévio e basilar.

Segundo esta investigação, o ecrã é relevante por si mesmo independetemente dos conteúdos. Pessoalmente esta afirmação deixa-me bastante dúvidas, não poderão os conteúdos condicionar ou mesmo determinar a relevância e/ou a atenção de um ecrã?

Ciclo de Seminários de Investigação em Ciências da Comunicação

Prossegue esta 5.ª feira, pelas 17h00m, no pólo de Lisboa da Universidade Católica Portuguesa, o Ciclo de Seminários de Investigação em Ciências da Comunicação, com a apresentação da investigação “O Que é um Ecrã? Uma Análise Heideggeriana sobre Ecrãs na Vida Contemporânea” pelo Prof. Doutor Fernando Ilharco (Professor da FCH UCP e Coordenador do Mestrado em Ciências da Comunicação).

Iniciado no passado dia 28 de Abril, com a apresentação da investigação “O Agendamento Mediático de Timor Leste” pelo Mestre Rui Marque, o "Ciclo de Seminários de Investigação em Ciências da Comunicação" pretende apresentar os mais recentes trabalhos de investigação realizados na Universidade Católica Portuguesa, no âmbito do Centro de Estudos em Ciências da Comunicação e do Mestrado em Ciências da Comunicação.

CSI Cartaz

Os seminários realizam-se às 5.ªs feiras, das 17h00m às 18h30m, no edifício da Biblioteca João Paulo II, 1.º piso, sala Descobrimentos até Junho de 2005. Para aceder à lista de seminários e respectivas datas, clique na imagem.

Como é natural irei assistir ao seminário de hoje, pelo que durante o seu decorrer irei publicar aqui breves apontamentos que considere relevantes.