Blogues Organizacionais

No âmbito da cadeira de Comunicação Organizacional, tinha inicialmente pensado escrever um artigo sobre a importância das tecnologias de informação e comunicação na comunicação organizacional, com particular ênfase para o papel desempenhado pela intranet.

No entanto, apercebi-me que pode ser interessante interpretar o fenómeno dos blogues ao nível organizacional, quer como local de livre expressão no qual os trabalhadores reflectem abertamente sobre as suas organizações, muitas vezes sobre o anonimato, quer como local de partilha e discussão de ideias entre pares.

Em relação a este tema, gostaria de destacar um excelente blogue de Mónica André, denominado B2OB – Barriers and Opportunities to Organizational Blogging / Barreiras e Oportunidades Organizacionais ao Blogging, a não perder.

Lisbonlab [1]

Ao contrário do que possa parecer, este blogue não pretende ser um espaço dedicado unicamente ao fenómeno da blogosfera, apesar de nos últimos dias assim ter parecido. Mas a verdade é que neste momento o mestrado ocupa uma grande percentagem do meu tempo, pelo que não me resta muito mais tempo para poder abordar outras temáticas do meu interesse.

Qualidade de vida

De acordo com um Índice de Qualidade de Vida desenvolvido pela Unidade de Inteligência ( Economista Intelligence Unit) do "The Economist", Portugal é o 19.º a nível mundial, num ranking liderado pela Irlanda. Lido no Nothingandall em:
Portugal é o 19º. país a nível mundial. Irlanda lidera.

Um resultado que me deixa verdadeiramente surpreso ainda por cima porque ficamos à frente de países como a França, a Alemanha ou o Reino Unido, nos quais, tradicionalmente, reconhecemos uma boa qualidade de vida, significtivamente melhor do que em Portugal. Resta saber quais as variáveis e as metodologias utilizadas neste índice.

Manuel Castells e a estratégia de Lisboa

Recomendo vivamente a leitura da entrevista a Manuel Castells publicada na edição de hoje do Público, na qual o autor de "A Sociedade em rede" aborda a Estratégia de Lisboa e os seus falhanços.

Manuel Castells: "Não precisamos de inventar outra estratégia de Lisboa"

…e ainda mais 3 pequenas peças com opiniões de Manuel Castells:
A bolha europeia
Open Source "Uma questão fundamental para a Europa e o mundo"
"Patentear o software é destruí-lo"

Podemos concordar ou discordar, mas o importante é conhecer as suas opiniões.

Blogues: experiência portuguesa

De acordo com a primeira entrada, nos seguintes posts irei publicar o estudo " Blogues: experiência portuguesa", que realizei no âmbito da cadeira de "Media, Públicos e Audiências", leccionada pelo Professor Doutor Rogério Santos.

 

Actualização:

 

1. Devido à actualização do // lisbonlab // alguns conteúdos foram reorganizados. No caso deste estudo, passsou a estar publicado em "Blogues: experiência portuguesa" da página "estudos".

2. Todos os comentários ao estudo "Blogues: experiência portuguesa" serão centralizados neste post.

 

Agradecimento: 

 

Gostaria de agradecer os comentários que têm sido feitos ao estudo sobre a blogosfera portuguesa, quer nos espaços existentes para esse efeito neste blogue, quer directamente para o meu e-mail.

Particularmente gostaria de agradecer a crítica construtiva do Professor Manuel Pinto, publicada no Webjornal, no qual afirma:

“Interessante, embora com um senão: o ter-se limitado a uma amostra construída com um critério claro: foi circunscrito aos cem blogues mais visitados no dia 19 de Janeiro último, apurados pelo ‘blogómetro’ do Weblog.com.pt. Mas é um critério limitado relativamente ao objectivo central da pesquisa: conhecer a blogosfera. Assim, ficamos a conhecer melhor a blogosfera mais visitada, o que já é bom.Mas fica a pergunta e sugestão para outro estudo: que resultados se obteria se, porventura, a amostra incidisse sobre os cem menos visitados? Ou sobre os cem mais, os cem menos e os cem médios?”

Julgo que esta crítica é de todo pertinente, pelo que o estudo não se deveria denominar “Blogues: experiência portuguesa”, mas sim “Blogues: a experiência dos blogues mais visitados em Portugal”. Neste sentido e como reconheço que existe um grande interesse do ponto de vista sociológico e comunicacional na análise deste fenómeno, irei aceitar o desafio de realizar um estudo mais aprofundado sobre a blogosfera portuguesa, que não se restrinja aos blogues mais visitados.

Por último gostaria de agradecer ao meu colega e amigo Paulo Castelo Lopes por me ter despertado para a pertinência do estudo deste interessante fenómeno que é a blogosfera.

Gmail Рexperi̻ncia recomendada

No dia 31 de Março de 2004, a equipa do Google anunciou a criação de um serviço gratuito de webmail, com 1Gb de espaço de armazenamento. No entanto, na fase inicial de testes, versão beta, que se especulava apenas duraria até Setembro de 2004, mas que ainda continua em vigor, apenas se pode ter acesso através de um convite de um utilizador já registado.

Felizmente, no final de 2004, graças ao convite de um grande amigo meu, tive acesso ao Gmail. Para aqueles que não conhecem ou não utilizam este serviço, devo dizer que não é um sistema que prima pelo design elegante, mas é sim, fundamentalmente muito simples e prático.

Apesar de ainda se tratar de uma versão beta dispõe já de uma série de funcionalidades que se constituem como uma mais valia face aos demais concorrentes, nomeadamente, as etiquetas das mensagens (labels), a importação dos contactos através de um ficheiro *.csv, o endereçamento adicional (Plus Addressing) e o acesso às contas via protocolos POP e SMTP.

Neste sentido, recomendo a todos quantos tenham possibilidade de aderir ao Gmail, que aproveitem essa oportunidade. Entretanto, para quem estiver interessado tenho 30 convites para distribuir.

Informação complementar:
http://gmail.google.com/gmail
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gmail